Devotos participam de procissão luminosa e missa em SP

Procissão luminosa reaizada pela Arquidiocese de São Paulo celebrou os 100 anos das aparições da virgem Maria em Fátima
Publicado em: 15/05/2017 - 10:30
Créditos: Fernando Geronazzo


Quem passou pelas ruas do centro de São Paulo na noite do sábado, 13, viu uma manifestação diferente das muitas que acontecem na cidade. Com velas acessas, cerca de 10 mil pessoas caminharam em oração, manifestando publicamente sua devoção à Virgem Maria, na celebração do centenário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, Portugal.

A procissão luminosa, organizada pela Arquidiocese de São Paulo, saiu da Paróquia Nossa Senhora da Consolação e seguiu até a Praça da Sé, onde houve uma missa campal, presidida pelo arcebispo metropolitano, Cardeal Odilo Pedro Scherer.

Durante a missa, Dom Odilo também agradeceu o empenho dos muitos voluntários da Arquidiocese que trabalharam na organização da procissão.

Na homilia, Dom Odilo afirmou que o evento, realizado pela primeira vez na Arquidiocese, recordou uma prática tradicional no Santuário de Fátima. “Essa procissão tem um significado todo particular no coração da cidade. Estamos aqui para manifestar nossa homenagem, nosso momento de recordação daquilo que Nossa Senhora quis trazer para toda a humanidade”, disse, referindo-se à mensagem transmitida pela Virgem Maria aos pastorinhos Francisco, Jacinta e Lúcia, em 1917.

No evento, também foi celebrada a ação de graças pela canonização dos irmãos Francisco e Jacinta Marto, realiza- da também no sábado pelo Papa Fran- cisco, durante sua peregrinação a Fátima.

O Cardeal Scherer destacou ainda que, um século depois, a mensagem da Virgem de Fátima permanece atual e pode ser resumida em três palavras: oração, penitência e conversão. “Nossa Senhora pediu que rezassem o Rosário, e rezassem muito pela conversão dos pecadores... Penitência para conseguir de Deus a graça da conversão para muitos que andam longe de Deus e não estão ouvindo a sua voz, e para conseguir a paz para o mundo em um momento de muito sofrimento”, disse o Arcebispo, recordando que 1917 foi um ano em que se viveu a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e muitas convulsões sociais, como o início da revolução russa e de regimes totalitários, em especial o comunismo.

Sobre o Rosário, Dom Odilo explicou que essa maneira simples de rezar, bastante difundida pela Igreja, aproxima os cristãos de Deus. “Como São João Paulo II escreveu, meditando os mistérios do Rosário, nós estamos, de fato, entrando na escola do Evangelho, tendo como mestra Maria, a mãe de Jesus”, disse.

“Cem anos depois de Fátima, a Igreja continua a recomendar que se reze o Rosário, em família, individualmente, nas comunidades”, acrescentou.

Maria leva a Jesus

“Talvez alguém se pergunte: ‘Será que os católicos não têm devoção demais a Nossa Senhora?’ ou ficar na dúvida: ‘não estaria ela ocupando o lugar de Jesus na nossa fé e vida cristã?’ Não tenhamos medo. Nossa Senhora sabe que o lugar dela não é na frente de Jesus. Ela sempre aponta para Jesus – ‘Fazei tudo o que Ele vos disser’ –, sempre nos mostra Jesus para que voltemos para Ele, sempre nos recomenda novamente aquilo que o Senhor já anunciou”, afirmou o Purpurado, acrescentando que, inclusive, o convite à oração, penitência e conversão, são palavras de Jesus recordadas por sua Mãe em Fátima.

Dom Odilo usou a própria procissão luminosa como exemplo para explicar que a Virgem Maria sempre conduz o cristão a seu Filho: “Nós viemos em procissão, cantando louvores a Nossa Senhora, mas, ao mesmo tempo, nos dirigindo para Deus. E aqui vindo, não nos levou Maria justamente ao altar, para a Eucaristia? Para ouvir mais uma vez a Palavra de Deus?”

Ano Mariano

Dom Odilo recordou que no Brasil a Igreja celebra o Ano Mariano Nacional em comemoração aos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida. E que, embora seja um título diferente, a mensagem da Mãe de Jesus é sempre a mesma: conduzir os fiéis para Cristo. “Quem vai a Aparecida, vai para a missa, para confessar, ouvir a Palavra de Deus e ter seu encontro com o Senhor”, afirmou “Como Maria, renovemos a nossa adesão a Jesus Cristo, à fé da Igreja, dos santos que nos precederam dando o testemunho da fé recebida dos apóstolos”, exortou o Cardeal.

O Arcebispo também destacou que naquele sábado, durante sua peregrina- ção ao Santuário de Fátima, o Papa Fran- cisco canonizou os irmãos Francisco e Jacinta.

Partindo do Evangelho proclamado na missa, que narra a visita da Virgem Maria a sua parenta Isabel, o Carde- al Scherer convidou os fiéis a seguir o exemplo de Nossa Senhora. “Com Maria, renovemos a nossa adesão a Jesus Cristo. Aprendamos com ela a sermos missionários, testemunhas de Jesus ao nos dirigirmos às pessoas”.

Sínodo arquidiocesano

Por fim, Dom Odilo pediu ao povo que reze pela realização do Sínodo Arquidiocesano, que será convocado oficialmente em 9 de junho e, segundo o Arcebispo, será a oportunidade de fazer uma grande avaliação da vida de toda a Arquidiocese. “Sínodo é busca de fazermos um caminho juntos para sermos fiéis a Jesus Cristo, à Igreja e à missão dele recebida, e para podermos ser mais eficazes também na nossa missão”, afirmou.