Dom Sérgio de Deus Borges é ordenado bispo

Data e horário: 
segunda-feira, 20 Agosto 2012 - 17:17
Créditos: 
Redação com O SÃO PAULO

A Arquidiocese de São Paulo convida os fiéis para participarem, no domingo, dia 2 de setembro, às 11h, na Catedral da Sé, da tomada de posse do bispo auxiliar para a Arquidiocese de São Paulo, dom Sérgio de Deus Borges. No mesmo dia, às 19h, ele será acolhido como vigário episcopal da Região Santana, na igreja matriz de Sant’Ana (Rua Voluntários da Pátria, 2260). Veja baixo o convite para a posse do bispo.

Dom Sérgio de Deus, foi ordenado no sábado, 18. Nomeado pelo papa Bento 16 como novo bispo auxiliar para a Arquidiocese de São Paulo, recebeu a ordenação episcopal pelas mãos dos bispos ordenantes, dom Getúlio Teixeira Guimarães, bispo de Cornélio Procópio (PR), cardeal arcebispo de São Paulo dom Odilo Pedro Scherer e bispo auxiliar para a região episcopal Belém, dom Edmar Peron.

Cerca de três mil pessoas participaram da cerimônia que foi concelebrada pelos bispos auxiliares de São Paulo e mais outros nove bispos do Paraná.  A celebração que aconteceu no ginásio das irmãs Dominicanas, contou com a presença de dezenas de padres e diáconos, além da participação de cerca de 50 pessoas, entre amigos e familiares de dom Sérgio de Deus Borges que viajaram de Alfredo Wagner (SC), e mais um grupo de cerca de 40 pessoas da Arquidiocese de São Paulo.

Dom Sérgio de Deus Borges se tornou o primeiro bispo natural da diocese de Cornélio Procópio que abrange 19 municípios e tem 25 paróquias. Maria do Carmo de Lima Leite, 47, membro da paróquia Nossa Senhora da Conceição de Jataizinho (PR), igreja na qual dom Sérgio atuou como pároco até junho deste ano, falou da alegria em ver nascer um novo bispo para a igreja da sua comunidade paroquial: “a princípio nem acreditávamos, parecia algo tão distante, mas ao mesmo tempo tão próximo de nós. Foi com muita alegria que recebemos a notícia, é muito gratificante saber que alguém que esteve com a gente por 12 anos no seminário diocesano, e um ano dedicado como pároco da nossa igreja, agora vai servir como bispo”, afirmou.

A celebração, que durou três horas, teve início com as palavras de acolhida de dom Getúlio Teixeira Guimarães, em um clima festivo marcado pela solenidade da Assunção de Maria. Logo após a liturgia da Palavra, muitas pessoas da assembleia testemunharam pela primeira vez o rito de ordenação episcopal. João Medeiros da Silva, 45, destacou a singularidade da ocasião: “este foi um momento inédito para muitos de nós. Eu mesmo nunca tinha participando de uma celebração assim em que vemos a consagração do bispo. Foi tudo muito bonito e motivou ainda mais nossa caminhada como igreja aqui em Cornélio Procópio”.

De fato, o rito de ordenação conta com momentos raros como a imposição das mãos, a unção da cabeça e entrega do livro dos evangelhos, além da leitura da Bula papal que, neste caso, comunicou a autorização para a ordenação episcopal, ao mesmo tempo em que, instruiu sobre o lugar do exercício eclesial. Na Bula de nomeação episcopal de dom Sérgio de Deus Borges, o papa Bento 16 menciona o pedido, motivado por necessidades pastorais, do cardeal dom Odilo Scherer e aconselha com um imperativo: “Desempenhes o ofício recebido com todas as energias, inteiramente entregue a Deus lembrado dessas palavras: ‘confia ao Senhor o teu caminho, espera nele e ele mesmo agirá. E que também te assista do céu, Nossa Senhora Aparecida, mãe e rainha da nação brasileira”. A bula designa dom Sérgio como bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo e de bispo titular de Gergis, no Egito.

Na homilia, o cardeal dom Odilo Scherer destacou que com a nomeação e ordenação episcopal de um novo bispo, a igreja repete “o gesto dos apóstolos que escolhiam sucessores, encarregados para cuidar das igrejas, das comunidades por eles fundadas, da edificação e consolidação da fé do povo reunido em nome de Jesus Cristo. Empunham as mãos sobre o escolhido invocando o Espírito Santo e o enviavam em missão para cuidar daquela comunidade, unido aos apóstolos na sucessão dos apóstolos”.

O Cardeal lembrou que através da escolha do papa Bento 16, monsenhor Sérgio recebeu também o chamado para ser bispo e pastor da igreja. Dom Odilo destacou ainda a identidade episcopal: “O bispo também é um vocacionado, ele é um missionário, enviado para ser pastor e guia, animador, edificador e pai da Igreja. O bispo é um servidor de Deus para anunciar o nome de Deus entre os irmãos. É um testemunha de Deus para os fieis e para o mundo todo. Recebe de Deus um dom especial pela imposição das mãos dos outros bispos para ser anunciador, apóstolo e mestre das coisas que são de Deus. Guardião do precioso depósito da fé e da vida da Igreja”. E conclui: “O episcopado é um serviço e não uma honra. O bispo é chamado a se distinguir mais pelo serviço prestado aos irmãos que pelas honrarias recebidas”.

Nas primeiras palavras como bispo, dom Sergio de Deus Borges, 46, falou por 19 minutos em um discurso predominantemente agradecido pela família, pelos companheiros de caminhada vocacional nos seminários dos padres Espiritanos, Capuchinhos e por fim, no seminário diocesano. Dom Sérgio lembrou as paróquias por onde passou e da trajetória acadêmica que o levou até Roma onde fez mestrado em Direito Canônico na Pontifícia Universidade Lateranense, e depois a Buenos Aires onde formou-se doutor também em Direito Canônico pela Pontifícia Universidade Católica do país.

Ao falar sobre as expectativas da sua missão na igreja de São Paulo, dom Sérgio disse que pretende ser mais um tijolo na construção do Reino e destacou sua grande meta: “eu vou para São Paulo com o objetivo de ajudar tantos irmãos e irmãs que já estão no ministério, já estão trabalhando para que Jesus possa de fato estar mais presente em nossas famílias. Eu quero somar, quero estar junto para que todos nós, em uma grande rede, em um grande trabalho comprometido, cada um dando o máximo de si, fazer com que Jesus continue sendo a grande luz, que marque a vida, a caminhada e dê sentido à existência de cada um de nós”.